É hora de negociar com o Credit Suisse enquanto a UPS busca garantias suíças

  • As negociações para resgatar o Credit Suisse começaram no domingo, com o UBS buscando US$ 6 bilhões do governo suíço para cobrir os custos.
  • O UBS está sob pressão das autoridades suíças para assumir o controle de seu rival local e controlar a crise, disseram duas pessoas familiarizadas com o assunto.
  • Os reguladores querem uma resolução antes da reabertura dos mercados na segunda-feira, mas uma fonte alertou que as negociações enfrentam obstáculos significativos.

Sinais vermelhos de passagem para pedestres do lado de fora de uma agência bancária do Credit Suisse Group AG em Basel, Suíça, terça-feira, 25 de outubro de 2022.

Estevão Wermuth | Bloomberg | Boas fotos

As negociações para resgatar o Credit Suisse começaram no domingo, com o UBS buscando US$ 6 bilhões do governo suíço para cobrir custos se comprar seu rival em dificuldades, disse uma pessoa familiarizada com as negociações.

As autoridades estão lutando para resolver uma crise de confiança no banco Credit Suisse, de 167 anos, que foi pego em turbulência provocada pelo colapso dos credores americanos Silicon Valley Bank e Signature Bank na semana passada.

Embora os reguladores queiram uma resolução antes da reabertura dos mercados na segunda-feira, uma fonte alertou que as negociações enfrentam obstáculos significativos, e uma fusão dos dois bancos pode resultar em até 10.000 cortes de empregos.

As garantias que a UPS busca cobrirão o custo do fechamento de partes do Credit Suisse e possíveis taxas de litígio, disseram duas das pessoas à Reuters.

Credit Suisse, UBS e o governo suíço se recusaram a comentar.

Um fim de semana frenético de negociações segue uma semana brutal para ações de bancos na Europa e nos EUA como esforços para impulsionar o setor. A administração do presidente dos EUA, Joe Biden, decidiu congelar os depósitos dos consumidores, enquanto o banco central suíço emprestou bilhões ao Credit Suisse para fortalecer seu balanço instável.

READ  Oracle anunciou planos de mudar sua sede global para Nashville

O UBS estava sob pressão das autoridades suíças para assumir o controle de seu rival local e controlar a crise, disseram duas pessoas familiarizadas com o assunto. O plano verá o Credit Suisse alienar seus negócios suíços.

A Suíça está se preparando para usar medidas de emergência para acelerar o acordo, informou o Financial Times, citando duas pessoas familiarizadas com a situação.

Autoridades dos EUA estão envolvidas, trabalhando com seus colegas suíços para ajudar a intermediar um acordo, informou a Bloomberg News, citando pessoas familiarizadas com o assunto.

Warren Buffett, da Berkshire Hathaway, discutiu a crise bancária com altos funcionários do governo Biden, disse uma fonte à Reuters.

A Casa Branca e o Tesouro dos EUA se recusaram a comentar.

O ministro das Finanças britânico, Jeremy Hunt, e o governador do Banco da Inglaterra, Andrew Bailey, permaneceram em contato neste fim de semana sobre o destino do Credit Suisse, disse uma fonte familiarizada com o assunto. Porta-vozes do Tesouro britânico e da Autoridade de Regulação Prudencial do Banco da Inglaterra, que supervisiona os credores, se recusaram a comentar.

As ações do Credit Suisse perderam um quarto de seu valor na semana passada. O banco foi forçado a usar US$ 54 bilhões em fundos federais enquanto tentava se recuperar de uma série de escândalos que minaram a confiança de investidores e clientes.

É um dos maiores gestores de patrimônio do mundo e é considerado um dos 30 bancos globais sistemicamente importantes – a falência de qualquer banco pode afetar todo o sistema financeiro.

Houve vários relatórios de interesse para o Credit Suisse de outros concorrentes. A Bloomberg informou que o Deutsche Bank estava considerando comprar alguns de seus ativos, enquanto a gigante financeira americana BlackRock negou relatos de que estava participando de uma oferta rival pelo banco.

READ  A SpaceX parou pouco antes de enviar a tripulação de quatro pessoas para a estação espacial

A falência do banco do Vale do Silício, com sede na Califórnia, chamou a atenção para como uma campanha implacável de aumentos nas taxas de juros do Federal Reserve dos EUA e de outros bancos centrais – incluindo o Banco Central Europeu na quinta-feira – está pressionando o setor bancário.

Os colapsos do SVB e do Signature estão entre as maiores falências de bancos da história dos Estados Unidos, seguindo o colapso do Washington Mutual durante a crise financeira global de 2008.

O First Citizens BancShares está avaliando uma oferta pelo SVB, e pelo menos um está considerando seriamente uma oferta, informou a Bloomberg News no sábado.

As ações de bancos em todo o mundo sofreram desde o colapso do SVB, com o S&P Banks Index caindo 22%, sua maior perda em duas semanas desde que a pandemia abalou os mercados em março de 2020.

Os grandes bancos dos EUA lançaram uma tábua de salvação de US$ 30 bilhões para o credor menor First Republic. Os bancos americanos solicitaram US$ 153 bilhões em liquidez de emergência do Federal Reserve nos últimos dias.

A Aliança de Bancos de Médio Porte da América pediu aos reguladores que estendam o seguro federal para todos os depósitos pelos próximos dois anos, informou a Bloomberg News no sábado, citando uma carta da aliança.

Em Washington, o foco mudou para uma maior supervisão para garantir que os bancos e seus executivos sejam responsabilizados.

Biden pediu ao Congresso que dê aos reguladores mais poder sobre o setor, incluindo a imposição de multas mais altas, recuperação de fundos e proibição de bancos falidos.

Eventos rápidos e dramáticos podem resultar em grandes bancos ficando maiores, bancos menores lutando para se manter à tona e mais credores regionais fechando.

READ  Jogos, placares, programação e canais de TV para o Torneio Masculino da NCAA Dia 4

“As pessoas estão realmente movimentando seu dinheiro, e todos esses bancos serão fundamentalmente diferentes em três meses, seis meses”, disse Keith Noreika, vice-presidente da Patomak Global Partners e ex-controlador republicano da moeda.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *