Uma linha do tempo dos principais momentos que antecederam a colisão dos jatos japoneses. Erro humano é considerado uma possível causa

Demorou apenas 18 minutos para evacuar os 379 passageiros do voo 516 da Japan Airlines, cujo avião pegou fogo após pousar na noite de terça-feira no aeroporto de Haneda, em Tóquio. Um pequeno avião Bombardier Dash-8 da Guarda Costeira, preparando-se para decolar para entregar ajuda de emergência ao centro do Japão atingido pelo terremoto, estava usando a mesma pista quando os dois colidiram. O capitão da Guarda Costeira escapou com queimaduras, mas cinco membros de sua tripulação morreram.

A Associated Press coletou relatos de funcionários e transcrições de comunicações de controle de tráfego. Aqui está uma olhada nos principais momentos que antecederam o confronto.

Restrições de trânsito

Comunicações gravadas divulgadas pelo Ministério dos Transportes às 17h43 de quarta-feira mostram o controle de tráfego do aeroporto e o JAL Airbus A350 estabelecendo comunicações quatro minutos antes do pouso. Dois minutos depois, quando o controle de tráfego informa ao voo da JAL que ele está autorizado a pousar na pista designada 34R, o piloto disse que “conseguiu pousar no solo”.

10 segundos depois, a aeronave da Guarda Costeira que sai se identifica e informa ao controle de tráfego que está taxiando na pista. O controlador de tráfego instruiu “táxi para o ponto de espera C5” antes da pista e foi não. 1 afirma receber prioridade de partida. A Bombardier repete a instrução: “Nº 1, obrigado.”

Enquanto estiverem em contato com as outras duas aeronaves, os controladores de tráfego não entrarão em contato com a aeronave da JAL ou com a da Guarda Costeira pelos próximos dois minutos até que ocorra o acidente.

A televisão NHK transmitiu imagens de sua câmera de vigilância no Aeroporto de Haneda mostrando um bombardeiro da Guarda Costeira saindo da pista de táxi C5 para a pista no espaço de dois minutos e parando pouco antes da colisão.

READ  Stark: Um no-hitter na segunda largada de Michael Lorenzen em Phillies é poesia de beisebol

Pouso e colisão

Às 17h47, cerca de 40 segundos depois de ser avistado na pista da Bombardier, o avião da JAL pousou logo atrás da aeronave da Guarda Costeira, criando uma bola de fogo laranja contra o céu noturno. O Bombardier, muito menor, logo foi envolvido pelas chamas, enquanto o A350 – envolvido pelas chamas e expelindo fumaça cinza – continuou a pousar cerca de 1 quilômetro (0,62 milhas) abaixo da pista, onde carros de bombeiros e equipes de emergência lutaram para apagá-lo. Fogo.

Os procedimentos de emergência já estão em vigor na cabine.

Descarga

Tripulação da JAL inicia atendimento de emergência. De acordo com a JAL, o sistema habitual de anúncio da cabine é desativado e a tripulação grita em um megafone para garantir que todos os passageiros ouçam as instruções.

Os comissários de bordo pediram repetidamente aos passageiros que mantivessem a calma e deixassem seus pertences – dois na frente e um terceiro atrás – mais próximos das três saídas de emergência utilizáveis, enquanto as outras cinco foram consideradas inseguras.

O vídeo de um sobrevivente mostra fumaça enchendo a cabana enquanto as pessoas ficam desesperadas. Alguns dizem: “Por favor, deixe-nos sair!” Quando os bebês começam a chorar. Mas muitos permanecem calmos e seguem as instruções para largar o avião em chamas nas rampas de emergência.

O capitão garante que ninguém fique para trás na cabine. Ele foi a última pessoa a deixar o avião às 18h05, 18 minutos após o pouso.

Especialistas e a mídia descreveram a evacuação de 18 minutos como “um milagre”, elogiando a tripulação da JAL pela sua resposta.

Depois

O Aeroporto de Haneda, um dos aeroportos mais movimentados do mundo, abrirá outras três pistas na terça-feira. Mas centenas de voos foram cancelados, incluindo cerca de 200 no sábado, o último fim de semana prolongado da temporada de férias de Ano Novo no Japão.

READ  Soldados israelenses mataram reféns carregando bandeiras brancas, confundindo-os com combatentes do Hamas

Às 2h15 de quarta-feira, mais de oito horas após a colisão, o fogo foi finalmente apagado.

Autoridades de segurança aérea dizem que estão examinando o A350 como parte de sua investigação para determinar a causa da colisão, que parece ser um erro humano, com transcrições mostrando que o avião da Guarda Costeira não recebeu autorização clara para decolar.

Na sexta-feira, uma equipe de seis investigadores do Conselho de Segurança de Transporte do Japão recuperou dados de voo e gravações de voz do bombardeiro e entrevistou três pilotos da JAL e nove comissários de bordo.

JAL A350 começa a remover detritos da pista até seu hangar.

O ministro dos Transportes, Tetsuo Saito, afirma que pretende reabrir a pista até segunda-feira, e que a operação de controlo de tráfego do aeroporto criará um novo cargo na equipa que irá monitorizar a movimentação dos aviões nas pistas a partir de sábado.

No sábado, os especialistas da JTSB recuperaram dados de voz do A350, cruciais para a investigação, e começaram a entrevistar os controladores de tráfego que estavam de plantão no momento da colisão.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *