Preços do petróleo sobem após cortes surpresa da Opep, analistas alertam para US$ 100 o barril

  • Os preços do petróleo subiram até 8% no mercado aberto depois que a Opep+ anunciou um corte de produção de 1,16 milhão de barris por dia.
  • “O plano da Opep+ para novos cortes na produção pode empurrar os preços do petróleo para US$ 100”, disse Tina Deng, analista da CMC Markets, à CNBC.

Tanques de armazenamento de petróleo na refinaria RN-Tuapsinsky operada pela Rosneft Oil Company à noite em Tuapse, na Rússia.

Andrei Rudakov | Bloomberg | Boas fotos

Os preços do petróleo subiram até 8% no mercado aberto depois que a Opep+ anunciou um corte de produção de 1,16 milhão de barris por dia.

Os futuros do petróleo Brent subiram 5,07%, para US$ 83,95 o barril com a notícia, e os futuros do petróleo US West Texas Intermediate subiram 5,17%, para US$ 79,59.

Os cortes voluntários começarão em maio até o final de 2023. Arábia Saudita anunciouEle disse que era uma “medida de precaução” destinada a estabilizar o mercado de petróleo.

A medida ocorre na sequência da decisão da Rússia Corte produção de petróleo em 500.000 barris por dia De acordo com o vice-primeiro-ministro do país, Alexander Novak, até o final de 2023.

Outros estados membros também prometeram seus respectivos cortes A Arábia Saudita, chefão da OPEP, está cortando 500.000 barris por dia E Emirados Árabes Unidos corta 144 mil barris por diaOutros cortes são do Kuwait, Omã, Iraque, Argélia e Cazaquistão.

“O plano da Opep+ para novos cortes de produção, vistos como a reabertura da China e os cortes de produção da Rússia em resposta às sanções ocidentais, podem empurrar os preços do petróleo para US$ 100”, disse Tina Teng, analista da CMC Markets, à CNBC.

READ  Por que Jonathan Guminga saindo do banco dos Warriors é a decisão certa por enquanto - NBC Sports Bay Area e Califórnia

O logotipo da OPEP é retratado na sede da OPEP em 4 de outubro de 2022. Em outubro do ano passado, o cartel do petróleo anunciou a decisão de reduzir a produção em dois milhões de barris por dia.

Joe Glamour | Afp | Boas fotos

No entanto, o corte pode reverter o declínio da inflação, o que “complicaria as decisões de taxas dos bancos centrais”, observou Deng.

Em outubro do ano passado, o cartel do petróleo anunciou sua decisão Reduziu a produção em dois milhões de barris por dia. A Casa Branca disse na época que o presidente Joe Biden estava “desapontado com a decisão míope da Opep+” de cortar cotas de produção enquanto o mundo estava envolvido na guerra na Ucrânia.

“No entanto, ao contrário [the cut in October]”O ímpeto da demanda global por petróleo aumentou, não desacelerado por uma forte recuperação da China”, disse o Goldman Sachs em nota.

Isso poderia aumentar as previsões do Goldman para o Brent em US$ 5 o barril, para US$ 95 o barril até dezembro de 2023, disse o banco de investimento em nota após a surpreendente decisão da noite para o dia.

Leia mais sobre energia do CNBC Pro

Analistas liderados por Dan Struyven, do Goldman Sachs, disseram que o corte surpresa foi “consistente” com a teoria de ação antecipada da Opep+.

Em março, os preços do petróleo caíram para o nível mais baixo desde dezembro de 2021, pois os traders temiam que a crise bancária pudesse prejudicar o crescimento econômico global.

O cartel do petróleo e seus aliados estão tentando evitar uma repetição do crash de 2008, disse um analista.

“Eles estão olhando para o segundo semestre deste ano e decidindo que não querem reviver 2008”, disse Bob McNally, presidente do Rapidan Energy Group, que viu os preços do petróleo caírem de US$ 140 para US$ 35 em seis meses.

READ  Macron dissolve Parlamento e convoca eleições após derrota da UE – POLITICO

McNally acrescentou que, embora não seja seu caso base, os preços do petróleo podem “subir para US$ 100… se a demanda chinesa retornar a 16 milhões de barris por dia no segundo semestre deste ano”. [and] Se o fornecimento russo começar a parar por causa de sanções e assim por diante.”

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *