Peronistas da Argentina registram vitória eleitoral chocante para selar segundo turno com o libertário Millay

BUENOS AIRES, 22 de outubro (Reuters) – da Argentina A coalizão governista peronista desafiou as expectativas de realizar as eleições gerais do país no domingo, preparando o terreno para um segundo turno polarizado no próximo mês entre o ministro da Economia, Sergio Massa, e o extremista libertário de extrema direita Javier Mili.

Massa teve 36% dos votos, 30% a mais que Miley, enquanto a conservadora Patricia Bulrich teve 23,8% com 90% dos votos contados, um resultado que desafiou as pesquisas pré-eleitorais que previam uma vitória libertária. .

Apesar da surpreendente força dos peronistas, que supervisionam a inflação atingindo os três dígitos pela primeira vez desde 1991, uma segunda volta intrigante entre os dois modelos económicos opostos está marcada para 19 de Novembro.

Os argentinos compareceram às urnas no domingo em meio à pior crise econômica do país em duas décadas e à raiva contra as elites tradicionais.

Muitos culparam os peronistas, mas Massa – um moderado – negou que as redes de segurança social do governo e os subsídios sejam importantes para muitos argentinos em dificuldades, incluindo uma recente façanha que mostra como as tarifas de comboio e autocarro aumentariam acentuadamente se ele perdesse.

Carlos Gutierrez, um pedreiro de 61 anos que foi votar no domingo, disse que “o peronismo é o único lugar que dá aos mais pobres de nós a oportunidade de ter o básico ao nosso alcance”.

READ  Uma segunda pesquisa do NH dá a Trump uma vantagem de dois dígitos sobre Haley, com DeSantis oscilando na casa de um dígito

Um candidato precisa de 45% dos votos, ou 40% e uma vantagem de 10 pontos, para vencer no domingo.

Como resultado, definir as coisas de forma subtil e expulsar o candidato do establishment da corrida, Fulrich, irá provocar nervosismo nos mercados instáveis ​​na segunda-feira, com pouca clareza sobre o caminho a seguir do país.

A Argentina, a segunda maior economia da América do Sul, é um grande exportador de soja, milho e carne bovina e possui enormes reservas de lítio e gás de xisto. Millay propõe medidas radicais como a dolarização da economia e o corte do comércio com a China.

“Nunca tivemos tanta polarização”, disse Silvia Monto, uma aposentada de 72 anos que votou em Buenos Aires no domingo.

‘Um pouco mais nos oprime’

Miley prometeu “serra elétrica” o status quo econômico e político, atraindo eleitores furiosos para sua mensagem estrondosa, fartos da inflação anual de 140% e da pobreza que afeta dois quintos da população.

“Ele é o único que entende a situação do país e como salvá-lo”, disse Nicolás Mercado, um estudante de Buenos Aires de 22 anos.

Enquanto isso, Susana Muñoz, 62 anos, aposentada, diz que Miley é um reflexo da convulsão mundial, onde a hiperinflação, os conflitos e a migração alimentam as divisões.

“O mundo é complicado e não estamos imunes a isso”, disse ele durante a votação no domingo. “A direita está avançando por toda parte e é impensável que tenhamos personagens como Miley.”

As autoridades eleitorais disseram que a participação nas primárias de agosto foi de cerca de 74%, mas significativamente inferior à participação de 81% nas últimas eleições gerais e à menor participação nas eleições gerais desde o retorno à democracia em 1983.

READ  Polícia diz que 15 feridos em tiroteio em Chicago - NBC Chicago

Quem quer que ganhe terá de manobrar a economia com suporte de vida: as reservas do banco central estão vazias, espera-se uma recessão após uma grande seca e um programa de 44 mil milhões de dólares com o Fundo Monetário Internacional (FMI) está vacilante.

Silvana Desilio, 37 anos, dona de casa da província de Buenos Aires, disse que é difícil ver um resultado positivo, independentemente de quem ganhe.

“Todos os governos estão a fazer promessas e a afogar-nos um pouco mais. Parece inacreditável, mas estamos a piorar. Lemos que outros países lidaram com o agravamento dos nossos problemas”, disse ele.

Reportagem de Nicholas Misgulin e George Ottola; Reportagem adicional de Claudia Gaillard, Leo Benassatto e Miguel Lo Bianco; Edição de Adam Jordan, John Stonestreet, Lisa Schumacher, Diane Croft e Sri Navarathanam

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenha direitos de licençaAbre uma nova aba

Anna-Catherine Brigida é repórter em Buenos Aires, onde cobre a política e a economia da Argentina desde 2023. De 2015 a 2022, foi repórter freelancer na América Central, onde cobriu caravanas de migrantes, julgamentos históricos de direitos humanos e notícias de última hora. Eleições, direitos reprodutivos e muito mais em El Salvador, Guatemala e Honduras. Ele tem um interesse especial em cobrir criptomoedas desde que começou a reportar sobre o assunto após a decisão histórica de El Salvador de legalizar o bitcoin em 2021. Sua investigação sobre o assassinato de exilados em El Salvador foi selecionada como finalista de 2019 em Reportagem Internacional para o Prêmio Livingston para Jovens Jornalistas.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *