FMI corta perspectiva de crescimento em meio a nervosismo no sistema financeiro

WASHINGTON – A economia global enfrenta o risco de uma recessão dolorosa em meio a preocupações com o sistema bancário global e o aumento das taxas de juros que os bancos podem cortar nos empréstimos, disse o Fundo Monetário Internacional nesta terça-feira.

O alerta ocorreu após semanas de turbulência no setor bancário global, incluindo duas falências de bancos nos Estados Unidos e uma aquisição do Credit Suisse pelo UBS, mediada pelo governo suíço. Os temores de que as corridas aos bancos afetariam o sistema financeiro diminuíram nas últimas semanas, mas permanecem as preocupações de que novas falências bancárias e padrões de crédito mais rígidos possam prejudicar a produção econômica em todo o mundo.

Em seu último relatório World Economic Outlook, o FMI reduziu ligeiramente sua previsão de crescimento para 2023 para 2,8%, ante 2,9% em janeiro. Espera-se que o crescimento para o ano seja muito mais lento do que a previsão do FMI há um ano, que projetava uma produção de 3,4 por cento.

As previsões de crescimento para Japão, Alemanha e Índia foram cortadas desde o início do ano, quando o FMI disse que uma recessão global foi evitada.

Tanto o FMI quanto o Banco Mundial levantaram alertas nas últimas semanas de que a economia global está enfrentando uma estagnação prolongada. O FMI espera que o crescimento fique em torno 3 por cento para os próximos cinco anosEsta é a previsão de crescimento de médio prazo mais fraca desde 1990.

Na terça-feira, o FMI expressou confiança de que uma crise financeira pode ser evitada, mas lamentou que a inflação ainda esteja elevada e que a economia global esteja fraca e enfrente um caminho “rochoso”. Sugeriu que o chamado pouso forçado, que poderia mergulhar as economias de todo o mundo na recessão, era cada vez mais plausível.

“Um pouso forçado – especialmente para as economias avançadas – tornou-se um risco muito maior”, disse o relatório do FMI, acrescentando: “O nevoeiro se adensou sobre as perspectivas econômicas globais”.

A previsão sombria ocorre quando as principais autoridades econômicas de todo o mundo se reúnem em Washington nesta semana para as reuniões de primavera do FMI e do Banco Mundial. A reunião ocorre em um momento de grande incerteza, com a escalada da guerra da Rússia na Ucrânia, os preços permanecem teimosamente altos em todo o mundo e os encargos da dívida nos países em desenvolvimento aumentam a preocupação com a perspectiva de pagamento da dívida.

READ  EUA atacam grupos pró-Irã no Iraque depois que ataque a base fere 3 americanos

A secretária do Tesouro, Janet L. Espera-se que Yellen se encontre com outros reguladores internacionais esta semana para avaliar a posição do FMI. Na terça-feira, ele expressou confiança na saúde do sistema bancário e da economia dos EUA, explicando que continua acreditando que as perspectivas são melhores do que muitos economistas previram no outono passado.

“Aqui domesticamente, o sistema bancário dos EUA está indo bem com fortes níveis de capital e liquidez”, disse a Sra. Yellen disse durante uma coletiva de imprensa. “O sistema financeiro global também é resiliente por causa das reformas significativas que os países adotaram desde a crise financeira.”

A Sra. Yellen disse que estava “alerta” sobre os riscos enfrentados pela economia, apontando para as recentes pressões sobre os sistemas bancários nos Estados Unidos e na Europa e a possibilidade de uma nova desaceleração da guerra da Rússia na Ucrânia. Atualmente, ele não vê evidências de que o crédito esteja diminuindo, mas admite que é possível.

READ  Ações caem enquanto aumento dos rendimentos dos títulos dos EUA assusta investidores

“Não espero uma desaceleração da economia, embora, é claro, isso continue sendo um risco”, afirmou. Yellen disse.

O FMI fez uma ligeira atualização em sua previsão para a produção dos EUA, que agora deve ser de 1,6% em 2023.

Economistas ainda estão trabalhando para avaliar quais efeitos as falências de bancos podem ter na economia dos EUA como um todo. Analistas do Goldman Sachs escreveram em uma nota de pesquisa esta semana que as pressões bancárias podem reduzir os empréstimos em até seis pontos percentuais, e que as pequenas empresas, que dependem fortemente de bancos pequenos e médios, arcarão com o peso de empréstimos mais restritos.

O FMI atribuiu a pressão sobre o setor financeiro aos bancos com modelos de negócios que dependem fortemente da continuação de baixas taxas de juros e não conseguiram se ajustar à rápida taxa de crescimento do ano passado. Embora a turbulência no setor bancário pareça estar sob controle, o FMI observou que os investidores e depositantes são altamente sensíveis aos desenvolvimentos no setor bancário.

Perdas não realizadas nos bancos podem levar a um “cenário plausível” de choques adicionais que podem ter um “impacto significativo na economia global” se as condições de crédito se tornarem ainda mais apertadas e empresas e famílias tiverem ainda mais dificuldade em tomar empréstimos.

“Os riscos estão novamente em segundo plano, e enormes, devido à turbulência financeira do último mês e meio”, disse o economista-chefe do FMI, Pierre-Olivier Gourinchas, em entrevista coletiva antes da divulgação do relatório.

O FMI prevê que o crescimento global desacelere para 1 por cento este ano, no cenário mais extremo de um forte aperto nas condições globais de crédito.

O sistema financeiro não é a única nuvem que paira sobre a economia global, disse o Sr. notou Gourinjas. Ele disse que há esperança de um forte crescimento à medida que a China reabre após rígidas regulamentações pandêmicas, e mudanças nessa política podem desacelerar a produção e interromper o comércio internacional. Ao mesmo tempo, a guerra da Rússia na Ucrânia continua a ameaçar a confiabilidade das cadeias de abastecimento de alimentos e energia.

READ  Relatório de autópsia mostra que adolescente estava doente dias antes de morrer em centro de tratamento em Utah, diz advogado

O FMI desempenhou um papel fundamental na tentativa de estabilizar a economia ucraniana e finalizou neste mês um pacote de empréstimos de US$ 15,6 bilhões para a Ucrânia, o primeiro programa de financiamento para um país envolvido em uma grande guerra. Mas, apesar dos esforços ocidentais para reprimir a Ucrânia e enfraquecer a Rússia, o FMI elevou suas perspectivas para a economia russa, prevendo um crescimento de 0,7 por cento neste ano e de 1,3 por cento em 2024.

O FMI observou que as exportações de energia da Rússia continuam fortes, permitindo que ela apoie sua economia por meio de gastos do governo. Com os preços globais do petróleo caindo em meio a temores de recessão, o impacto dos esforços dos EUA e da Europa para elevar os preços do petróleo da Rússia acima de US$ 60 o barril não é claro. Funcionários do FMI disseram que, devido aos baixos preços do petróleo, o petróleo russo não é mais negociado com grandes descontos e que a Rússia conseguiu encontrar maneiras de evitar o teto de preços.

Embora tenha destacado os riscos enfrentados pela economia global, o FMI pediu aos bancos centrais que mantenham os esforços para controlar os preços enquanto estão prontos para estabilizar o sistema financeiro, observando que a inflação continua alta em relação às suas metas.

Apesar das advertências do FMI sobre um pouso forçado, a Sra. Yellen tentou começar as reuniões desta semana com uma nota esperançosa. Ele apontou sinais de desaceleração da inflação e motivos para otimismo quanto à resiliência do sistema financeiro.

“Eu não exageraria a negatividade sobre a economia global”, disse a Sra. Yellen disse. “Acho que precisamos ser mais positivos.”

Ele acrescentou: “Acho que a perspectiva é razoavelmente brilhante.”

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *