Aliados ocidentais divergem sobre jatos para a Ucrânia, Rússia reivindica ganhos

  • Biden diz ‘não’ quando questionado sobre F-16 para a Ucrânia
  • Zelensky diz que Moscou busca ‘grande vingança’
  • O executivo russo conseguiu uma posição em Wuhleder
  • Kiev pode recuperar terreno quando as armas ocidentais chegarem – equipe

KYIV, 31 Jan (Reuters) – O ministro da Defesa da Ucrânia deve se encontrar com o presidente Emmanuel Macron em Paris na terça-feira depois que o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, descartou o fornecimento de F-I, em meio a conversas entre aliados de Kyiv sobre o fornecimento de caças para a guerra contra a Rússia. 16s.

A Ucrânia planeja pressionar por caças ocidentais de quarta geração, como os F-16, depois de garantir o fornecimento dos principais tanques de batalha na semana passada, disse um assessor do ministro da Defesa, Oleksiy Reznikov, na sexta-feira.

Questionado na Casa Branca na segunda-feira se os EUA forneceriam F-16, Biden disse a repórteres: “Não”.

Mas a França e a Polônia parecem prontas para aceitar tal pedido da Ucrânia, com Macron dizendo a repórteres em Haia na segunda-feira que “por definição, nada está excluído” quando se trata de ajuda militar.

Em comentários transmitidos pela televisão francesa antes de Biden falar em Washington, Macron enfatizou que tal movimento dependeria de uma série de fatores, incluindo a necessidade de evitar uma escalada e a garantia de que o avião “não toque o solo russo”. Reznikov também se encontrará com seu colega francês Sébastien Lecornu em Paris na terça-feira, disse ele.

Na Polônia, na segunda-feira, o primeiro-ministro Mateusz Morawiecki não descartou o fornecimento de F-16 para a vizinha Ucrânia, respondendo à pergunta de um repórter antes de Biden falar.

Em comentários publicados em seu site, Morawiecki disse que tal intercâmbio ocorreria “em total coordenação” com os países da Otan.

READ  Democratas da Carolina do Norte trocam de partido, dando aos republicanos supermaioria à prova de veto no Senado estadual

Andriy Yermak, chefe do gabinete do presidente da Ucrânia, observou “sinais positivos” da Polônia e disse que a França “não descarta” tal movimento em postagens separadas em seu canal Telegram.

O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, esteve no Japão na terça-feira, onde agradeceu a Tóquio pelas “capacidades de aeronaves e carga” que fornece à Ucrânia. Um dia antes na Coreia do Sul, ele pediu a Seul que aumentasse seu apoio militar à Ucrânia.

Os comentários de Biden vieram depois que o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse que começou a retaliar contra a oposição da Ucrânia com ataques implacáveis ​​no leste.

Zelenskiy vem alertando há semanas que Moscou pretende intensificar sua ofensiva após quase dois meses de impasse virtual em uma linha de frente que se estende pelo sul e leste.

A Ucrânia ganhou um grande impulso na semana passada, quando a Alemanha e os Estados Unidos anunciaram planos de fornecer tanques pesados, encerrando semanas de impasse diplomático sobre o assunto.

Embora não haja sinal de uma nova ofensiva russa mais ampla, Denis Bushilin, administrador das áreas controladas pelos russos na província de Donetsk, no leste da Ucrânia, disse que as tropas russas se firmaram na cidade mineira de Vuhlader, cujas ruínas foram Reduto ucraniano desde o início da guerra.

Apesar das “grandes perdas”, Bushilin disse que as forças ucranianas estão consolidando posições nas instalações industriais.

‘Guerra por cada metro’

Bushilin disse que as forças ucranianas estão lançando reforços em Pakmut, Marinka e Vuhledar, cidades situadas ao norte-sudoeste da cidade de Donetsk. A agência de notícias estatal russa TASS o citou dizendo que as forças russas estavam avançando para lá, mas “não claramente, o que significa que há uma batalha a cada metro aqui”.

READ  EUA reagem a grupos apoiados pelo Irã por ataques a tropas no Iraque e na Síria: Pentágono

Oleh Zhdanov, analista militar ucraniano, disse que a Ucrânia ainda controla Maryinka e Vuhledar, onde os ataques russos foram mínimos na segunda-feira.

Yan Gagin, um conselheiro de Bushilin, disse que os combatentes de Wagner, uma força mercenária russa, assumiram o controle de parte de uma estrada de abastecimento que leva a Bagmut, uma cidade na qual Moscou estava focando há meses.

Um dia antes, o líder de Wagner disse que seus combatentes haviam protegido Blahotadne, um vilarejo ao norte de Pakmut, embora Kiev tenha dito que repeliu os ataques a Blahotadne.

A Reuters não pôde verificar de forma independente os relatórios do campo de batalha. Mas os locais dos combates relatados mostram ganhos russos claros, embora graduais.

O serviço civil da Ucrânia disse que as forças russas bombardearam mais de 40 assentamentos na região central de Zaporizhia e na região sul de Kherson. Os alvos incluíram a cidade de Kherson, onde houve baixas.

No dia em que Zelensky se encontrou com o primeiro-ministro dinamarquês na cidade de Mykolaiv, no nordeste do país, os russos lançaram quatro ataques com foguetes contra Osagiv, no sul de Mykolaiv, disseram os militares.

atrasos ocidentais

Zelenskiy tem instado o Ocidente a entregar rapidamente as armas prometidas para que a Ucrânia possa lançar uma ofensiva, mas a maioria das centenas de tanques prometidos pelo Ocidente está a meses de ser entregue.

O ministro da Defesa britânico, Ben Wallace, disse que os 14 tanques Challenger fornecidos pela Grã-Bretanha estariam na linha de frente em abril ou maio, sem dar um cronograma exato.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que os fornecedores ocidentais de armas estão “cada vez mais diretamente envolvidos no conflito com os países da OTAN – mas isso não tem a capacidade de mudar o curso dos eventos e não o fará”.

READ  Playoff de futebol universitário: Michigan Wolverines e Washington Huskies avançam para o campeonato nacional

O instituto de estudos do Instituto para o Estudo da Guerra, com sede nos Estados Unidos, disse que o “fracasso do Ocidente em fornecer os suprimentos necessários” no ano passado foi a principal razão pela qual os avanços de Kyiv pararam desde novembro.

A Ucrânia ainda pode retomar o território assim que as armas prometidas chegarem, disseram os pesquisadores em um comunicado.

O Ministério da Defesa da Bielo-Rússia disse na terça-feira que a Rússia e a Bielo-Rússia iniciaram uma sessão de treinamento de equipe de uma semana em preparação para exercícios conjuntos na Rússia em setembro.

A invasão da Ucrânia pela Rússia, que Moscou justifica como necessária para proteger as relações de seus vizinhos com o Ocidente, matou dezenas de milhares de pessoas e expulsou milhões de suas casas.

Relatório da Reuters Bureaus; Por Toina Chiaku e Stephen Coates; Edição por Cynthia Osterman e Simon Cameron-Moore

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *