A ONU disse que os habitantes de Gaza estavam invadindo centros de ajuda e levando farinha e suprimentos

Vista dos restos de uma mesquita e de casas destruídas pelos ataques israelenses no centro da Faixa de Gaza em 29 de outubro de 2023. REUTERS/Mohammed Fayq Abu Mostafa Obtenha direitos de licenciamento

JERUSALÉM (Reuters) – Milhares de residentes de Gaza apreenderam farinha e “itens básicos de sobrevivência” dentro de armazéns e centros de distribuição da Agência das Nações Unidas para os Refugiados Palestinos (UNRWA), disse a agência neste domingo.

“Este é um sinal preocupante do colapso da ordem civil depois de três semanas de guerra e de um cerco apertado a Gaza”, afirmou a Agência das Nações Unidas de Assistência e Obras para os Refugiados da Palestina no Próximo Oriente (UNRWA) num comunicado.

Um dos armazéns, localizado em Deir al-Bala, é onde a UNRWA armazena suprimentos de comboios humanitários do Egito para Gaza.

A ajuda a Gaza está congelada desde que Israel começou a bombardear o densamente povoado enclave palestiniano em resposta a um ataque mortal do seu grupo militante no poder, o Hamas, em 7 de Outubro.

“A ajuda humanitária que chega em camiões do Egipto para Gaza é insuficiente e o mercado está esgotado”, disse a UNRWA, acrescentando que o actual sistema de transporte de comboios humanitários para Gaza estava “fadado ao fracasso”.

“As necessidades das comunidades são enormes, apenas para a sobrevivência básica, mas a ajuda que recebemos é escassa e inconsistente.”

A capacidade da UNRWA de ajudar as pessoas em Gaza foi prejudicada por ataques aéreos que mataram mais de 50 funcionários e restringiram a circulação de mercadorias.

Mesmo antes do conflito, a organização dizia que o seu mandato estava a ser minado pela falta de financiamento.

Fundada em 1949, após a Primeira Guerra Árabe-Israelense, a UNRWA presta serviços públicos, incluindo escolas, cuidados de saúde primários e assistência humanitária em Gaza, na Cisjordânia, na Jordânia, na Síria e no Líbano.

READ  Acidente de trem na Grécia: pelo menos 36 mortos e muitos feridos

Relatório de John Davison em Jerusalém e Gabriel Tetrault-Farber em Genebra; Edição de Alison Williams e Alexander Smith

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenha direitos de licençaAbre uma nova aba

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *