A França mobilizou 7.000 soldados e está em alerta máximo após esfaqueamentos em escolas e detenções com facas em mesquitas.

O anúncio da mobilização de sábado ocorreu depois que o presidente Macron realizou uma reunião de emergência do gabinete de segurança na noite de sexta-feira.

Anúncio

A França está a mobilizar 7.000 soldados e a aumentar o seu nível de alerta para “ataque de emergência”. Um professor da cidade de Arras, no nordeste do país, foi morto a facadas na sexta-feira por um ex-aluno que registrou a radicalização islâmica.

O presidente Emmanuel Macron tomou a decisão depois de convocar uma reunião de emergência do seu gabinete de defesa na noite de sexta-feira.

Macron descreveu o esfaqueamento, que feriu gravemente dois outros funcionários da escola, como “terrorismo islâmico”.

“Até 7.000 soldados do Corpo Sentinelle ficarão estacionados até segunda-feira à noite e até novo aviso”, disse o Palácio do Eliseu na manhã de sábado.

O que aconteceu em Arras?

As autoridades francesas lançaram investigações antiterroristas desde o ataque de Arras.

A polícia local afirma que um homem armado com uma faca matou um professor e feriu outros dois em uma escola secundária com uma população de 41 mil habitantes na manhã de sexta-feira. O agressor foi preso no local.

O incidente ocorreu na Escola Secundária Gambetta, localizada no centro da cidade, e a polícia afirma que o agressor gritou “Allah Akbar” – “Deus é grande” em árabe.

Ele foi identificado como Muhammed Mokochkov, de 18 anos, um ex-aluno da escola de origem chechena que foi objeto de “vigilância ativa” pela DGSI, a Direção-Geral de Segurança Interna da França.

Mogouchkgov foi detido e revistado na semana passada, mas foi libertado porque não havia motivos para prendê-lo, disseram as autoridades.

Nenhum estudante do ensino médio ficou ferido no ataque, mas um guarda e um professor ficaram gravemente feridos após sofrerem múltiplas facadas.

READ  Hong Kong se prepara para tempestade com a aproximação do tufão Chayola

Macron visita o local e depois realiza reunião do gabinete de segurança

O Presidente francês, Emmanuel Macron, visitou a escola na tarde de sexta-feira e apelou às pessoas para que se “unissem” e “se mantivessem unidas” face à “barbaridade do terrorismo islâmico”.

Falando no pátio de um edifício perto da escola onde ocorreu o ataque mortal na manhã de sexta-feira, Macron disse: “Não devemos ceder ao terrorismo e não deixar que nada nos divida”.

Mais tarde na noite de sexta-feira, Macron realizou uma reunião de emergência do seu gabinete de defesa em Paris.

Após a confirmação do segundo incidente de segurança, a reunião contou com a presença de altos ministros do governo, policiais, militares e funcionários de inteligência.

Um homem de 24 anos conhecido como “extremista” foi preso e levado sob custódia policial depois de deixar uma mesquita em Limay, um subúrbio de Paris, na posse de uma faca.

O Ministério Público de Versalhes confirmou a prisão do homem.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *